Nazismo em Rolândia

Parte da História de Rolândia que Poucos Conhecem e outros tantos escondem

CAPA DO LIVRO "ABRIGO NO BRASIL" de Gudrun Fischer

Prefácio

“Uma pesquisa do IBOPE realizada em março de 2001 mostrou que 89% dos brasileiros nunca ouviram falar do Holocausto e 32% não sabem que houve um extermínio em massa de judeus pelos nazistas durante a 2ª Guerra Mundial. Os resultados do levantamento não surpreenderam. Em vista das deficiências do sistema educacional no Brasil, o nível de conhecimento de grande parte da população é muito baixo. Se a maioria dos brasileiros desconhece sua própria história, não é de estranhar que haja ignorância em relação ao que aconteceu na Europa sob o regime nazista…” (Henry I. Sobel).

O livro

A escritora alemã Gudrun Fischer transcreve em seu livro “Abrigo no Brasil” relatos surpreendentes de mulheres judias alemãs que fugiram da Alemanha nazista e vieram para Rolândia. Mas mesmo longe da loucura do Führer* (Hitler), o medo continuou presente em suas vidas. Suas lembranças são comoventes e dolorosas, estimulantes e informativas. Cada uma elabora a fuga de forma diversa, o que se reflete na variedade dos relatos: ora irônicos, ora secos, alguns sintéticos, outros minuciosos e detalhados.

Para que os leitores e leitoras passam conhecer um pouquinho mais sobre o assunto, transcrevo abaixo fragmentos do citado livro, pois não podemos ignorar o passado, sob pena de vagar cegos no futuro.

Fuga em massa

“Algumas fontes informam que cerca de 10 mil fugitivos alemães judeus se instalaram no Brasil durante o período nazista (…).Fischer, Gudrun. Abrigo no Brasil. São Paulo,2005.P.154.

“(…) Ao todo, cerca de 155 mil alemães emigraram para o Brasil; deles, 90 mil chegaram antes da Primeira Guerra Mundial. Em 1937, havia cerca de 1 milhão de alemães ou descendentes de alemães no país (dados de Emílio Willens, citado por Ethel Kosminsky, 1985) (…)”.Fischer, Gudrun. Abrigo no Brasil. São Paulo,2005.P.149.

Nazismo em Rolândia

“A maioria dos descendentes alemães simpatizantes do nazismo em Rolândia, tinha vindo dos outros estados do Sul, para o Norte do Paraná. Mas alguns nazistas emigraram da Alemanha para Rolândia, entre os anos de 1930 e 1950(…)”.

“Havia pessoas influentes em Rolândia que eram comprovadamente nazistas (…)”. Fischer, Gudrun. Abrigo no Brasil. São Paulo,2005.P.162.

Proibido falar alemão

“A partir de 1942, não era mais permitido falar alemão em público no Brasil, e escolas alemãs foram fechadas. Essa lei também valia para os judeus. Em Rolândia, alguns judeus ficaram presos por alguns dias por falar alemão nas ruas. E quem fosse viajar precisava trazer consigo um salvo conduto.” Fischer, Gudrun. Abrigo no Brasil. São Paulo,2005.P.164.

Frases das entrevistadas

“Todos os dias, na escola, (na Alemanha) nós tínhamos que dizer `Heil Hitler` e `Hitler é o nosso Deus”. (Ruth Kaphan)

 

“Quando descemos do navio, eu disse a mim mesma: “quero apagar tudo que marcou a minha vida por 18 anos”. (Susanne Behrend)

“Sempre serei grata ao Brasil” (Brigitte wendel)

 

Para saberem muito mais coisas, coisas que eu não posso escrever aqui, adquira o livro.

O livro custa apenas R$33,00 e pode ser adquirido pelo site www.submarino.com.br

Boa leitura!

*  Führer : Führer em alemão, o “condutor”, “guia”, “líder” ou “chefe”. Deriva do verbo führen “para conduzir”. Embora a palavra permaneça comum no alemão, está tradicionalmente associado a Adolf Hitler, que a usou para se designar líder da Alemanha Nazista. Fonte: Wikipédia.