rolandia



Cultura nos Bairros vai ao Novo Horizonte

No último dia 24, às 10 horas da manhã, no Jardim Novo Horizonte, a Secretaria de Cultura de Rolândia promoveu mais uma edição do projeto “Cultura nos Bairros”. O público que passava por ali ou que saia da missa conferiu a apresentação do grupo de Taikô (foto), coordenado por Gilberto Otake. O grupo de hi-hop Evangelizart também se apresentou na sequência; é a segunda vez que este grupo se apresenta no projeto. Entre o público presente esteve o Prefeito Johnny Lehmann e a vice Sabine Giesen, além da Secretaria de Cultura, Maria Luiza Muller.

Na próxima quinta-feira, dia 28, o evento vai até o Conjunto Domingues Neves, no CCI – Centro de Convivência de Idosos, às 20 horas. Todo o bairro está convidado.


Nanuk recebe orquestra de câmara e música popular

Nos próximos dias 21 e 22 de julho, no Centro Cultural Nanuk, o Festival de Música de Londrina traz para Rolândia parte de sua programação.  No ano passado o Festival trouxe orquestras à cidade descentralizando a extensa programação desse que é um dos mais importantes eventos de música do país.

Dia 21 o Nanuk recebe a Orquestra de Câmara Solidariedade Sempre, com a presença de 26 músicos. Já no dia 22 teremos o Grupo de Música Brasileira. As duas apresentações serão às 20:00 horas. Os espetáculos são gratuitos, mas alimentos não perecíveis são bem vindos. A Secretaria de Cultura espera todos aqueles com bom  apetite musical.

Mais informações pelo fone 3906-1086.


Nazismo em Rolândia

Parte da História de Rolândia que Poucos Conhecem e outros tantos escondem

CAPA DO LIVRO "ABRIGO NO BRASIL" de Gudrun Fischer

Prefácio

“Uma pesquisa do IBOPE realizada em março de 2001 mostrou que 89% dos brasileiros nunca ouviram falar do Holocausto e 32% não sabem que houve um extermínio em massa de judeus pelos nazistas durante a 2ª Guerra Mundial. Os resultados do levantamento não surpreenderam. Em vista das deficiências do sistema educacional no Brasil, o nível de conhecimento de grande parte da população é muito baixo. Se a maioria dos brasileiros desconhece sua própria história, não é de estranhar que haja ignorância em relação ao que aconteceu na Europa sob o regime nazista…” (Henry I. Sobel).

O livro

A escritora alemã Gudrun Fischer transcreve em seu livro “Abrigo no Brasil” relatos surpreendentes de mulheres judias alemãs que fugiram da Alemanha nazista e vieram para Rolândia. Mas mesmo longe da loucura do Führer* (Hitler), o medo continuou presente em suas vidas. Suas lembranças são comoventes e dolorosas, estimulantes e informativas. Cada uma elabora a fuga de forma diversa, o que se reflete na variedade dos relatos: ora irônicos, ora secos, alguns sintéticos, outros minuciosos e detalhados.

Para que os leitores e leitoras passam conhecer um pouquinho mais sobre o assunto, transcrevo abaixo fragmentos do citado livro, pois não podemos ignorar o passado, sob pena de vagar cegos no futuro.

Fuga em massa

“Algumas fontes informam que cerca de 10 mil fugitivos alemães judeus se instalaram no Brasil durante o período nazista (…).Fischer, Gudrun. Abrigo no Brasil. São Paulo,2005.P.154.

“(…) Ao todo, cerca de 155 mil alemães emigraram para o Brasil; deles, 90 mil chegaram antes da Primeira Guerra Mundial. Em 1937, havia cerca de 1 milhão de alemães ou descendentes de alemães no país (dados de Emílio Willens, citado por Ethel Kosminsky, 1985) (…)”.Fischer, Gudrun. Abrigo no Brasil. São Paulo,2005.P.149.

Nazismo em Rolândia

“A maioria dos descendentes alemães simpatizantes do nazismo em Rolândia, tinha vindo dos outros estados do Sul, para o Norte do Paraná. Mas alguns nazistas emigraram da Alemanha para Rolândia, entre os anos de 1930 e 1950(…)”.

“Havia pessoas influentes em Rolândia que eram comprovadamente nazistas (…)”. Fischer, Gudrun. Abrigo no Brasil. São Paulo,2005.P.162.

Proibido falar alemão

“A partir de 1942, não era mais permitido falar alemão em público no Brasil, e escolas alemãs foram fechadas. Essa lei também valia para os judeus. Em Rolândia, alguns judeus ficaram presos por alguns dias por falar alemão nas ruas. E quem fosse viajar precisava trazer consigo um salvo conduto.” Fischer, Gudrun. Abrigo no Brasil. São Paulo,2005.P.164.

Frases das entrevistadas

“Todos os dias, na escola, (na Alemanha) nós tínhamos que dizer `Heil Hitler` e `Hitler é o nosso Deus”. (Ruth Kaphan)

 

“Quando descemos do navio, eu disse a mim mesma: “quero apagar tudo que marcou a minha vida por 18 anos”. (Susanne Behrend)

“Sempre serei grata ao Brasil” (Brigitte wendel)

 

Para saberem muito mais coisas, coisas que eu não posso escrever aqui, adquira o livro.

O livro custa apenas R$33,00 e pode ser adquirido pelo site www.submarino.com.br

Boa leitura!

*  Führer : Führer em alemão, o “condutor”, “guia”, “líder” ou “chefe”. Deriva do verbo führen “para conduzir”. Embora a palavra permaneça comum no alemão, está tradicionalmente associado a Adolf Hitler, que a usou para se designar líder da Alemanha Nazista. Fonte: Wikipédia.

 


NUNCA SE APLAUDIU TANTO EM ROLÂNDIA!


Secretaria de Cultura;
traz Orquestra da UEM para Rolândia

Vozes em harmonia, instrumentos de corda e sopro além da performance musical de instrumentistas , coralistas, e regentes empolgados com a orquestra e o Coral, aconteceu o Concerto de Música Erudita., no último domingo, dia 21.O evento iniciativa da Secretaria de Cultura sempre numa parceria feliz com a Paróquia São José, arrancou aplausos da platéia.

A Universidade Estadual de Maringá, com a participação do Coral Santa Cecília de Londrina e Coral União de Rolândia, fizeram parte da missa solene celebrada pelo Monsenhor Vitor de Londrina.O Monsenhor,no momento da celebração apreciando a boa musica , acrescentou. “Rolândia sempre me surpreende com momentos como este. Parece que estamos no céu”.

A secretaria de Cultura, Maria Luiza Muller agradeceu com ramalhete de flores, à diretora do Festival de Musica de Londrina, Lilian Almeida, pela oportunidade dada ao Município de Rolândia ,e sua população ,de contemplar um espetáculo de real grandeza.


Desfile Oktoberfest 2010

O tradicional desfile com a rainha e as princesas da Oktoberfest reuniu grande público na avenida Interventor Manuel Ribas. A secretária de Cultura de Rolândia, Maria Luiza, conta que esse ano o desfile tinha como tema cidades da Alemanha: “Cada uma das vinte instituições que desfilaram representou uma cidade alemã. Assim, além de mostrar um pouco de si, elas contam sobre a história e identidade de Munique, Stuttgart, Hamburgo, Colônia, Nuremberg, dentre muitas outras cidades”.


“Paraná Caminhos da História e da Arte”.

Em um evento belíssimo na última quarta-feira (18), o Museu Municipal, a cidade de Rolândia será a sede da exposição “Paraná Caminhos da História e da Arte”. O projeto, que é uma parceria entre a secretaria de Estado da Cultura e Junta Comercial do Paraná, fica em Rolândia até o dia 10 de setembro. São 28 obras de artistas paranaenses e mais 100 peças históricas do estado. A obra mais antiga é um quadro denominado Queima de Marte, de 1902, pintado por Alfredo Andersen, norueguês que esteve no Paraná no final do século 19. Com as presenças ilustres da secretaria de Cultura do Paraná Vera Mussi Augusto, do Presidente da Junta Comercial do Estado Julio Maito e ainda do prefeito de Rolândia , sua vice Sabine Giesen e a secretária de Cultura e Turismo de Rolândia Maria Luiza Muller, o evento traz achados arqueológicos e resultados de estudos que revelam como viviam os primeiros habitantes, antes da vinda dos europeus para a América. A secretaria Vera Mussi, que foi homenageada na ocasião pelas colônias alemã, italiana, árabe e portuguesa, se mostrou entusiasmada com a exposição em Rolândia. “É muito bom estar no interior do estado do Paraná. Fui muito bem recebida pela cidade e espero que a exposição proporcione momentos de verdadeira magia aos moradores”, afirmou a secretária. O prefeito convidou a todos de Rolândia e região para prestigiarem a exposição. “É com muito orgulho que Rolândia recebe esta tão importante mostra de arte. Tenho certeza que os rolandenses apreciarão muito as obras expostas no Museu Municipal”, declarou o prefeito. Apresentações musicais ao vivo das cantoras Karina Branco de Rolândia e Alexandra Durello Banache de Londrina e do coral Roland Singt abrilhantaram o evento. O projeto “Paraná – caminhos da história e da arte” é uma exposição de cunho didático, que busca divulgar, promover e valorizar o patrimônio histórico e cultural do Paraná, proporcionando ao público conhecer sua história, suas raízes e cultura. PRESENÇAS -Também estiveram presentes ao evento a coordenadora da região Metropolitana de Londrina Elza Correia, o deputado estadual Waldyr Pugliesi, o Coronel Rubens Guimarães, o presidente da ACIR João Roberto Mungo, a diretora Geral da Secretaria de Cultura do Estado Sonia Amamoto Shigueoka, Roseli Bassler diretora do Museu Alfredo Andersen e coordenadora do projeto, o presidente de partido local Waldemar Moraes e o relator da Junta de Rolândia José Luiz Anselmo. SERVIÇO –O Museu municipal de Rolândia está aberto de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas, na Rua Duque de Caxias, 444. Mais informações e agendamento de visitas pelo telefone (43) 3255 5516.

Fonte:  http://www.rolandia.pr.gov.br

Próxima Página »